Archive for the ‘Ciganos’ Category

Os encantos do Mundo Cigano

outubro 27, 2008

Sobre o povo cigano não se tem ao certo uma definição conclusiva. O que há de entendimento geral é de que, o cigano, é um indivíduo nômade, originário do norte da Índia e espalhado em pequenos grupos pela Ásia, Europa, África do Norte e algumas partes da América como um todo.

Vários mitos são atribuídos aos ciganos. Alguns dizem que são aventureiros, boêmios que pedem dinheiro depois de ler nossas mãos e ver nossos destinos. Outros dizem que eles nunca existiram de fato e que tudo sobre eles não passa de estórias românticas contadas, apenas, para satisfazer alguns “corações sonhadores”. Mas na verdade, quem são esses ciganos?

Desde criança eu ouvia falar em Santa Sara Kali, a padroeira dos ciganos, mulher da Etiópia escravizada no Egito e que prometeu a Jesus Cristo que usaria para sempre um lenço na cabeça ou uma flor no cabelo como sinal de respeito e devoção à Ele depois de ser salva das águas do oceano.

Naquela época eu lia muitas coisas sobre o povo cigano e imaginava ser uma daquelas mulheres com saias rodadas e longas, que dançavam em volta do fogo usando um leque na mão ou um pandeiro com fitas coloridas penduradas, movimentando-se sob o ritmo de uma música espanhola ou outro idioma qualquer que eu não sabia bem qual era… A música me fascinava mesmo quando ela existia apenas na minha imaginação. Os homens usavam um lenço vermelho na cabeça, camisa com mangas folgadas e presas nos punhos, faixa amarrada na cintura e com braços erguidos, também batiam palmas. Às vezes, levavam uma rosa vermelha na boca – presa entre os dentes – para presentear a mulher que seria envolvida na dança. Sempre olhando nos olhos!

Não sei se estou no rol daquelas que têm um “coração sonhador” à espera de um cigano para dançar comigo ao redor de uma enorme fogueira sob uma fascinante lua cheia, e no final, ganhar dele a tal rosa vermelha. O que sei é que, recentemente, vi de perto esse universo que sempre imaginei, mas que só conhecia nos filmes e nos livros que lia em segredo quando era adolescente. E encontrei esse lugar bem aqui, em Crato!

Existe na cidade um grupo de dança cigana composto de quase vinte pessoas. Homens e mulheres de diferentes idades, e de motivos pelos quais procuram dançar! Sandra Albano, a coreógrafa e professora, busca transmitir aos seus alunos não só os segredos da dança dos ciganos e da sua música, como também, o entendimento de que há toda uma magia gigantesca na natureza e que se revela dentro de cada um. O ar, o fogo, a terra, a água, o éter (5º elemento para o povo cigano)… e por fim, nós mesmos, como parte importante em toda essa energia! E esse que age mutuamente com as forças naturais é o verdadeiro cigano, não exatamente aquele que existia nos romances que eu lia e nos meus devaneios tolos de menina.

As aulas de dança cigana acontecem duas vezes por semana no Espaço “Viva Luz” e é o resultado do Opré Romá (Núcleo de Estudos para Valorização da Arte e Cultura Cigana) criado por Sandra Albano com o objetivo de estender o entendimento dessa cultura no Cariri com palestras, exposições, valorização das etnias, harmonizações, mostras de arte, etc. Evidentemente, ela leva o Grupo de Dança para se apresentar em diversos lugares que o convida. Mas é na transposição da lua crescente para a lua cheia de cada mês, que uma grande festa é realizada na Chácara Ananda, de sua propriedade, em que há um imenso e lindo jardim onde todos interagem em um ritual tipicamente cigano ao som de músicas típicas e envolventes, energizações e intenso respeito à vida.

Uma grande homenagem à Santa Sara Kali aconteceu naquele “jardim encantado” na Chácara Ananda no último dia 24 deste mês de maio, data em que Ela é festejada por ciganos em todo o mundo. A “escrava africana” capturada com as Três Marias, cuja história ergue o início do Cristianismo e somente reconhecida pela Igreja Católica em 1712 quando fora canonizada, também seria homenageada com muito louvor e alegria, no sul do Ceará, bem aqui em Crato, em meio à Chapada do Araripe! A estimativa é de que, mais de 15 milhões de ciganos espalhados em diferentes pontos da Europa, Ásia, África, Austrália e Nova Zelândia também faziam festejos comemorativos a sua padroeira naquele mesmo dia.

A Festa de Santa Sara Kali em Crato

Logo na chegada àquele lugar se ouvia ao longe uma música com som das castanholas e do violão, que são alguns dos instrumentos musicais dos ciganos, em especial, daqueles que vieram da Espanha. A festa não havia começado, mas os dançarinos já estavam com suas vestimentas típicas de ciganos de determinadas regiões, além de um casal que seria abençoado com as energias ciganas, tudo feito sob os costumes ciganos.

Incensos, fogueira, tendas armadas, flores, as três Estrelas de Davi construídas para as harmonizações, uma mesa com alimento, música leve e relaxante… Havia uma paz que muitos dos convidados não sentiam há tempos. Para concluir o ambiente especial, uma gruta fora construída para servir de altar à Santa Padroeira dos Ciganos, ainda sem a imagem Dela que viria em cortejo instantes depois.

Começa a festa e Sandra Albano, cumprimentando e agradecendo a presença de todos os convidados, iniciou os festejos com uma oração, o Pai Nosso, do qual todos devem conhecer não só as palavras, mas o significado delas. Ela explicou o sentido daquela comemoração, do chá e do pão, e de tudo o que havia lá, contando a história de Santa Sara Kali e da sua evangelização pela Europa, a questão das etnias e dos costumes ciganos. O cortejo veio em seguida com a imagem de Sara Kali que seria levada à gruta construída inteiramente para Ela.

Crianças dançaram, um duelo cigano foi lindamente interpretado pelos irmãos Walevisk e Vinícius, as mulheres saudaram – com a dança – os elementos da natureza usando seus pandeiros, lenços, xales, flores… Logo a união de um casal seria abençoada sob o ritual cigano. Eles fariam seus votos de matrimônio na presença de muitos irmãos espirituais.

Cada dançarino não representava apenas uma coreografia típica de uma região com comunidade cigana. Naqueles ritmos e passos dançantes se saudava a vida que brota em toda parte, esbanjando alegria e emanando bons fluídos a platéia hipnotizada com tamanha beleza.

Ao final de tudo, a união do casal foi protegida com as energias da natureza nos moldes dos costumes ciganos. Eles trocaram alianças que, para os ciganos, são simbolizadas por duas rosas vermelhas. Beberam do mesmo vinho, na mesma taça que foi quebrada pelo noivo logo depois. A união deles estava abençoada, e como disse o padrinho: “o destino dos dois será um só até que aqueles pedaços de vidro se juntem novamente”. Somente eles dois beberam daquele vinho! Em seguida, a noiva distribuiu rosas vermelhas às mulheres recebendo platas em troca.

Tudo era alegria e havia famílias inteiras naquele lugar! O alimento foi dividido por todos, em especial, o chá e o pão. As pessoas formavam filas para receber as harmonizações das dançarinas ciganas em volta do fogo que faziam orações e balançavam seus pandeiros para equilibrar as energias internas dos visitantes.

Descobri que ser verdadeiramente cigano é estar em condição de nobreza espiritual. Completo êxtase com a música, com os elementos da natureza, com a nossa própria existência… Todos os pensamentos voltados inteiramente para o bem de si e do próximo. Descobri que qualquer um pode ser cigano independentemente de etnia, porque tudo é uma questão de pensamento e atitude, não de um lugar onde nasceu ou mora.

Não se trata de uma crença ou religião, de um grupo socialmente separado ou de sujeitos aquém dos problemas do mundo. Trata-se de pessoas que exaltam a vida acreditando que há um Ser Supremo que é centro de toda essa energia, encontrando na natureza, na música e na dança, uma filosofia existencial e forma de intercâmbio físico e mental com algo Divino e que está em toda parte, inclusive, dentro de nós mesmos. Eu procuro diariamente essa “cigana” que há em mim. Procuro essa energia natural em todos os cantos. E você?

——————————————————–
“A natureza alimenta não só o corpo, alimenta também o espírito”

Anúncios

CIGANOS

outubro 3, 2008

Os ciganos nos legaram bens preciosos como: o amor a liberdade e a natureza, a sabedoria de viver e os conhecimentos esotéricos pelos quais é possível desvendar muitos de nossos segredos existênciais, portanto, é hora dessa cultura fascinante e polêmica ser reconhecida e respeitada.
 
Um grande rio corta a região noroeste da Índia, onde fica hoje o Paquistão.
Seu nome é Indu e das suas margens partiu, expulsos por invasores árabes há quase 3 mil anos, um povo amante da música, das cores alegres e da magia.
 
Este pelo menos, é a explicação dos estudiosos para a origem dos ciganos.
E o que a fundamental é a semelhança do romanê idioma falado pelos ciganos com o sânscrito, a língua falada clássica indiana.
O que não se sabe ainda é se esses eternos viajantes pertenciam a uma casta inferior dentro da hierarquia indiana ou uma casta aristrocrática e militar.
 
Independente de qual fosse seu status, a partir do êxodo pelo Oriente,os ciganos se dedicaram com exclusividade a atividades intinenrantes como: ferreiros, domadores, criadores e vendedores de cavalos, saltibancos, comerciantes de miudezas, e praticantes das artes divinatórias.
 
Viajavam sempre em grandes carroções coloridos e criaram nomes poéticos para si próprios: filhos das estrêlas, irmãos das águas, viajantes do vento e povo das estradas.
 
Das estrelas com certeza. Pois os ciganos simplesmente têm pavor do mar e só põe os pés num barco se forem obrigados, tanto que não há registro de marinheiros ou pescadores entre eles.
É falso, porém, achar que o gosto pelas viagens seja o único fator responsável pelo nomandismo desse povo.
Por trás de todas essas mudanças, há também uma história de perseguições e fugas.
Na Moldávia e na Valáquia, atual Romênia, os ciganos foram escravizados durante 300 anos; na Albânia e na Grécia pagavam impostos mais altos.
Também na Hungria conheceram a escravatura. E os ingleses expulsavam, sob pena de morte, aqueles que se recusavam a fixar residência.
Na Alemanha, crianças ciganas eram tiradas dos pais com a desculpa de que “iriam estudar”, enquanto a Polônia , a Dinamarca e a Áustria puniam com severidade quem os acolhesse.
Pior ainda nos Países Baixos, onde inúmeros ciganos foram condenados à forca e seus filhos obrigados a assistir à execução para aprender a “lição de moral”.
 
Apenas no País de Gales eles tiveram espaço para manter parte das suas tradições e a língua. Uma tolerância que os levou a se sedentarizar e a se misturar com a população local, dando origem aos ciganos mistos.
Da mesma forma, na região da Andaluzia (Espanha), encontraram facilidades e se estabeleceram. Mesmo assim, durante a inquisição católica, vários deles foram expulsos pelos tribunais do Santo Ofício.
E dessa vez, não tiveram escolha: enviados para as gáles em Portugal e na Espanha, cruzaram o mar rumo ao degredo nas colônias africanas,asiáticas e americanas. Como pode-se vê a história dos ciganos não é só de alegria, música e dança, mas também de perseguições e preconceitos.
 
O povo cigano experiência o mais amplo sentido de liberdade.

Não tem apego a nenhum lugar em especial, não deixa raízes que não possam ser arrancadas quando o desejo de ganhar estrada acontecer.

O verdadeiro nômade é livre como o vento e pode estar em um lugar quando o sol nasce e em outro quando chega o poente. Para ele é importante o momento presente.

O passado é experiência e vivência já conquistada e o futuro uma expectativa aventureira, que ele entrega ao Poder Maior. As populações ciganas são nômades por excelência, não têm pátria, são universais e não possuem títulos monárquicos como reis, rainhas, ou outros que signifiquem máximo poder de governo.

Viajam em grupos de famílias, que possuem um profundo sentido de união, solidariedade e companheirismo. Formam núcleo comunitários compactos com normas e regras de convivência harmoniosa.

Os ciganos acreditam que somente podem ser felizes entre os ciganos, por isso as crianças frequentam a escola por um curto tempo, o suficiente para aprender ler e escrever o indioma do país local e fazer as operações matemáticas mais simples.

 
Pois quando maiores precisarão destes conhecimentos para
desempenharem as tarefas do mundo moderno e com isto ganhar a vida honestamente. Na sociedade cigana  o homem representa o esteio e o braço forte da família, a mulher significa o lado terno e de proteção espiritual dos lares ciganos. As ciganas não trabalham fora do lar e quando vão as ruas para ler a sorte é como um cumprimento de tradição e não como parte do sustento da família.
 
Tanto as ciganas solteiras como as casadas são muito faceiras, insinuantes e provocantes, em particular quando dança.
 
Os bebês ciganos atualmente também são registrados em cartótios e levados a pia bastimal .
Contudo , os ciganos possuem além do nome oficial, um nome secreto, escolhido pela mãe , e soprado em seus ouvidos nos
primeiros instantes após o nascimento. Possuem, um terceiro nome o qual é conhecido na população local.
 
A festa de casamento, é uma das mais bonitas, quando realizadas dentro das tradições.
Enfim, existe toda uma tradição entre esse povo e ficaria dificil enumera-las aqui.
Entretanto, podemos observar que as leis e costumes ciganos são severos e rígidos em vários aspectos, porém , são estas atitudes muitas vezes rigorosas que mantém vivo o povo cigano, ainda possuidor de inúmeras de suas tradições, apesar do convívio direto ou indireto com os gajos.
SE7E